12 passos para atingir o sucesso financeiro – Parte 1

Como atingir o tão sonhado sucesso financeiro?

Todo mundo sabe que não existem formulas mágicas e nem receitas prontas que garantem o sucesso financeiro. Normalmente fórmulas de enriquecimento fácil ou são ilícitas ou são golpes.

Entretanto, planejamento, foco, dedicação e estudo podem garantir um futuro financeiro recompensador para você e sua família. O importante também é não fazer desta rotina um sacrifício, uma vez que nosso cérebro está programado para buscar prazer e conforto e grandes períodos de sacrifício se traduzem, na prática, em desistência e frustrações.

Alguns passos básicos, que seguidos de forma correta, irão conduzi-lo a uma situação financeira desejada e estável. É importante ressaltar que cada pessoa tem desejos e motivações próprias, assim como, uma situação atual de vida bem particular.

Sendo assim, cada um atualmente se encontra em um dos 12 estágios aqui apresentados, podendo estar ainda no primeiro, buscando resolver suas dívidas, ou no quinto, construindo reservas para eventuais emergências ou até mesmo no último, já tendo atingido sua independência financeira. Não há regra definida para isso e o importante é entender a caminhada e se empenhar para alcançar o passo posterior!

Para entender melhor o que digo, veja quais são estes passos ou estágios:

1. Ataque as dividas primeiro

Não é possível imaginar qualquer progresso financeiro enquanto existirem compromissos a serem saudados. E dívidas contraídas são, provavelmente, a maior fonte de preocupação no que se refere a vida financeira de uma pessoa. Assim, o primeiro passo para organizar seus recursos é quitar todas elas. O mais rápido possível!

É fundamental listar todas as dividas existentes, credores e valores a serem pagos e partir para a negociação. Priorize aquelas de maior impacto no seu orçamento (cujo atraso trazem maiores juros embutidos) e busque fontes alternativas de recursos para a resolução das mesmas, tais como, vender bens não utilizados ou que podem gerar uma boa receita, ganhos extras através de trabalhos adicionais, realização de serviços esporádicos, vendas diretas ou realizar horas extras de trabalho.

Em seguida, identifique todas as contas que podem ser reduzidas ou eliminadas e realize os cortes de imediato. Todo sacrifício é valido e deve ser realizado o quanto antes.

Se quiser quitar suas dívidas ainda mais rápido e pagando juros menores, uma solução pode ser tentar uma linha de crédito que ofereça seu imóvel como garantia, o chamado refinanciamento de imóvel ou Home Equity.

2. Elimine os erros por falta de controle

Uma vez planejada a eliminação das dívidas e iniciadas as ações que irão concretizar esse objetivo é importante fazer um acompanhamento rotineiro para se manter focado na resolução do problema.

Entretanto, tão importante quanto manter a execução do planejamento é não perder o controle dos gastos do dia a dia. Para isso é fundamental ter um orçamento doméstico calculado e não deixar jamais que o mesmo seja extrapolado, fazendo com que você dependa de instrumentos financeiros como cheque especial, juros rotativos de cartão de crédito ou empréstimos com familiares e amigos.

Tudo isso fará com que o “loop” de geração de dívidas retorne e mande seus planos por água abaixo. O controle das suas contas é essencial nesta fase de recuperação.

3. Valorize o seu nome

Uma vez livre das dívidas, procure construir uma boa reputação para seu nome, mantendo ele fora dos serviços de proteção ao crédito e construindo boas relações com seu banco.

Isso é importante porque trará melhores oportunidades futuras de crédito, quando necessário, a taxas de juros mais atrativas e com melhores condições. Pense da seguinte forma: Se você tivesse que escolher emprestar dinheiro a dois amigos seus, um que você sabe que costuma não pagar no prazo combinado ou mesmo nunca pagar, ou aquele que sempre cumpre o combinado, para qual você emprestaria? Fácil de responder, certo?

Com isso você terá acesso também a melhores opções de investimento, assim que seu relacionamento com o banco for sendo construído.

4. Não aplique seu dinheiro na Poupança

Após ter conquistado uma certa tranquilidade sobre os problemas financeiros você irá começar a pensar em poupar e construir riqueza, mas para isso você precisa aprender uma coisa. Não deixe o seu dinheiro na Poupança!

E o motivo é muito simples: hoje este é o pior investimento existente no mercado! Ela traz a pior rentabilidade, os menores retornos e você ainda perde seu rendimento se eventualmente não completar o mês de aniversário da caderneta.

Procure soluções alternativas, até que você conheça mais sobre outros investimentos. Um bom exemplo é o Tesouro Direto cujos papéis irão lhe trazer melhores rentabilidades e baixo grau de risco, da mesma forma que a poupança.

5. Reserve para emergências

Ninguém está livre de imprevistos e na verdade os imprevistos são bons para que possamos aprender e nos desenvolvermos. Entretanto, se preparar para os imprevistos é um dever de quem quer crescer financeiramente.

Em função disto, o próximo passo é preparar uma reserva de emergência que te permita passar por situações não planejadas como a perda de um emprego, uma baixa de serviços caso você seja autônomo ou trabalhe por conta própria ou até mesmo uma queda de vendas de seu negócio próprio, se este for o caso.

Manter um “colchão” de pelo menos 6 meses ao equivalente a seu salário ou ganho médio mensal permitem a você se preparar para os novos desafios sem passar por uma grande preocupação ou entrar em desespero devido ao imprevisto.

A reserva de emergência deve ser preferencialmente construída em investimentos de baixo risco, como fundos de renda fixa, por exemplo, e que tenham uma alta liquidez, permitindo que você acesse o recurso de imediato em caso de necessidade.

 6. Seja disciplinado

Uma vez iniciado o aprendizado de juntar dinheiro, se inicia um novo desafio, que é tornar esta ação um hábito. Procure manter o hábito de economizar, iniciando aos poucos para não impactar muito o seu dia a dia.

Ter disciplina nesta fase é primordial para suas finanças pessoais. Mais importante, até mesmo do que o valor, é a consistência de poupar certa quantia mensalmente.

Aprenda a ter paciência também, pois provavelmente no início você irá ter a sensação de que não poupou muito dinheiro, mas fique tranquilo pois mesmo no curto prazo, o que você poupar poderá fazer toda a diferença na realização de seus objetivos.

Bem, chegamos na metade dos passos que irão conduzi-lo ao seu sucesso financeiro e continuaremos com os demais passos no próximo artigo do Blog.

Enquanto isso tire um tempo para refletir sobre estes passos e não perca o próximo artigo com os demais estágios.

Se você gostou, compartilhe com seus amigos e contatos para que possamos construir uma educação financeira mais efetiva para nossa sociedade.

Sucesso!

Para ler o artigo 12 passos para atingir o sucesso financeiro – Parte 2, clique aqui!

PS: Este artigo foi desenvolvido também baseado nos ensinamentos de Gustavo Cerbasi, um dos maiores educadores financeiros do país. 

Gostou deste artigo? Compartilhe ele agora:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

1 comentário em “12 passos para atingir o sucesso financeiro – Parte 1”

  1. Pingback: 12 passos para seu sucesso financeiro – Parte 2 – Riqueza Inspiradora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Iniciar o chat
Precisa de alguma ajuda?
Olá, tudo bem? ????

O que você procura? Posso te ajudar?

Aqui na Inspiratori, realizamos consultorias de finanças pessoais, planejamento financeiro e ministramos cursos e palestras também.

Estamos a disposição para o que precisar.